Área pertence à Cohab - Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo e teria sido invadida há 3 anos.

Nesta quinta-feira(12), Policiais Militares cumprem uma decisão judicial de reintegração de posse na Rua Alterosa, na Cohab V, em Carapicuíba.

No local viviam cerca de 2 mil pessoas, em 740 barracos.

Área per

Segundo a Prefeitura de Carapicuíba, por conta da reintegração, toda a extensão da Rua Alterosa foi fechada. A Marginal do Ribeirão foi interditada entre o Km 21 e a Estrada do Copaíba e a Avenida Tancredo Neves bloqueada entre a Marginal do Ribeirão e a Rua Mário Rodrigues Borba. Aulas foram suspensas e linhas de ônibus foram alteradas na região.

A operação, que acontece desde cedo e deve ir até o final da tarde, envolve cerca de 300 policiais, com equipes do 5º Batalhão de Ações Especiais (BAEP), do Comando de Policiamento de Área Oito (CPA-M8), da Tropa de Choque, da Cavalaria, da Rocam, da Polícia Rodoviária e do Corpo de Bombeiros; cerca de 100 guardas civis de Carapicuíba, Barueri e Osasco; do Samu; da Defesa Civil; além da Zoonoses e secretarias municipais. O helicóptero Águia deu apoio aéreo.

A reintegração de posse

A reportagem do Portal Viva conversou com o Tenente PM Cerqueira, responsável pela comunicação da PM. Segundo ele, cerca de 2.000 pessoas viviam no local desde 2016. "A decisão judicial saiu em janeiro deste ano. A reintegração de posse foi marcada e durante a semana, algumas famílias já haviam deixado a área. Hoje estão sendo retiradas cerca de 700 pessoas".

Segundo ele, o trabalho da polícia começou por volta das 5h da manhã, com a chegada das equipes do Baep, que fizeram uma varredura completa na área, em busca de qualquer coisa que pudesse machucar alguém durante a desocupação (armas de fogo, explosivos, combustível, etc). A varredura durou até por volta das 06h30 e nada foi encontrado, tendo início a reintegração de posse. "Foi bem tranquilo, não houve confronto nem manifestação", relatou o tenente.

Caminhões da Prefeitura foram encostando e retirando os pertences enquanto a retroescavadeira ia destruindo as moradias, para evitar que os moradores retornassem. O Corpo de Bombeiros apagou diversos focos de incêndio.

"Os moradores estão tendo apoio de assistentes sociais do município, que estão fazendo o cadastro das famílias. Elas serão cadastradas para encaminhamento a programas sociais e a Secretaria Estadual de Educação está ajudando na realocação das crianças em escolas próximas aos novos endereços", destacou.

Há informações não confirmadas de que a área deve receber moradias populares com recursos de programas habitacionais do governo do Estado.









Visitantes Online:

Temos 384 visitantes e Nenhum membro online