Da Redação

O bolso do contribuinte deverá sofrer mais um baque neste início de ano. O governo federal pretende reajustar em 7% o preço do combustível, e em 4% ou 5% o preço do óleo diesel.

A expectativa é de que o anúncio seja feito na semana que vem.

Este será o primeiro aumento de preço sensível para o consumidor em quase dez anos. Por conta dos possíveis impactos que a alteração pode causar nos índices inflacionários, a equipe econômica do governo estuda alternativas que poderão ser adotadas nos próximos meses.

Uma das medidas adotadas deve ser o aumento da mistura de álcool anidro (etanol) na gasolina. O governo deve anunciar a elevação do teto da mistura, dos atuais 20% para 25%, com o reajuste dos combustíveis. Mas a elevação só deve ser efetivada quando a colheita de cana-de-açúcar estiver no auge, o que deve ocorrer no fim do primeiro semestre.

Demanda antiga dos usineiros, o aumento da mistura atenuaria o impacto do reajuste que será anunciado. Além disso, a medida alivia a necessidade de importação de gasolina, um dos fortes responsáveis pelo déficit da balança comercial no início deste ano.

O que chama a atenção é que o governo promove esse reajuste de 7% ao mesmo tempo em que sanciona a redução de 20% das tarifas de energia, por meio da Lei 12.783, publicada nesta segunda-feira (14) no Diário Oficial da União.

Com informações do Estado de SP

Foto: Fau Barbosa


Visitantes Online:

Temos 316 visitantes e Nenhum membro online