Por Fau Barbosa

Na noite dessa terça-feira(5), a Câmara Municipal de Cotia sediou a 1ª Reunião Pública sobre a Revisão do Plano Diretor de Cotia.

O objetivo da reunião foi esclarecer a população sobre o processo de revisão do Plano Diretor e quais as direções importantes que devem ser tomadas visando uma Cotia nelhor nos próximos 10 anos.

O ex vereador Giba Marcelino, do Instituto Vis Vida, presidiu os trabalhos ao lado do representante do sindicato dos metalúrgicos, Alex da Força e do ambientalista Wlad Farias.

Também compuseram a mesa de trabalho os arquitetos José Roberto Baraúna (presidente da AETEC,) e Ricardo Cunha, o presidente da OAB Cotia, Tuca Miramontes, a representante do MDGV - Movimento em defesa da Granja Viana, Délia Costa, e os únicos vereadores presentes, Luis Gustavo Napolitano (que ficou até o final) e o presidente da Câmara, Marcos Nena (que precisou ir embora cedo, alegando dois outros compromissos).

Giba abriu a reunião falando da importância do papel da sociedade nesse processo que definirá pelos próximos anos como será feita a ocupação de solo no município.

Em seguida, Wlad Farias falou sobre a importância de motivar as pessoas a pensarem em um futuro feito de escolhas, visando a qualidade de vida. "A maioria das pessoas está um pouco descrédula com relação à preservação ambiental", disse. "É por ela que há a mobilização de tantas entidades. Nós sabemos que temos que crescer, mas precisamos buscar as escolhas para conviver harmoniosamente com a Natureza", ressaltou.

O arquiteto Ricardo Cunha apresentou dois vídeos produzidos durante o 1º Seminário Temático da AETEC - Associação dos Arquitetos, Engenheiros e Técnicos de Cotia, realizado em 2003. Apesar de ter informações pertinentes e importantes, o áudio ruim acabou tornando o último vídeo cansativo e dispersou uma parte do público.

O presidente da Câmara, Marcos Nena, citou a importância da participação dos legisladores (vereadores) e enfatizou que na hora de votar o Plano Diretor estes devem fazê-lo de forma participativa e com conhecimento do mesmo. "Cotia cresceu de forma desordenada e agora é hora de buscar o caminho para organizar a cidade", disse.

O presidente da OAB Cotia, Tuca Miramontes, falou de suas andanças pela cidade como cidadão. "Vemos ruas esburacadas, lixo jogado, realmente é um descaso. Temos que cobrar os órgãos públicos. A OAB vai cobrar. Vamos assinar o manifesto e ajudar a cobrar do poder público essa direção no Plano Diretor", ressaltou.

O vereador Luis Gustavo ficou até o final e apresentou um estudo feito pela Emplasa citando o crescimento e os desenvolvimento das cidades do entorno. Foram mostrados slides comparativos, falando da evolução da mancha urbana na área de influência do eixo Raposo Tavares ao longo dos últimos anos e consequentemente, de seus problemas, como a perda de qualidade de vida, aexplosão da expansão urbana e o trânsito caótico.

Alex da Força citou a Tribuna Livre, pleiteada pela população de Cotia, e abriu o espaço para que as pessoas pudessem falar por dois minutos, e fazer perguntas aos membros da mesa.

Foram levantados vários problemas, como os muitos condomínios aprovados sem infra estrutura no entorno, o sério problema de falta de acessibilidade diante de uma população de 24 mil deficientes, a dificuldade de locomoção e a importância da Conferência das Cidades, cuja convocação já deveria ter sido feita.

Finalizando a reunião, Giba Marcelino leu o manifesto assinado por várias entidades e avisou que no próximo dia 23 acontecerá uma segunda reunião pública, dessa vez no Distrito de Caucaia do Alto. O local será divulgado pela imprensa assim que for definido.

Para acessar o Manifesto assinado pelas entidades, clique AQUI.

Visitantes Online:

Temos 319 visitantes e Nenhum membro online