Após inúmeras reclamações de moradores da Rua Adib Auada, devido às obras do futuro Shopping Granja Viana, uma reunião foi realizada na manhã dessa sexta feira(8), na Secretaria de Trânsito de Cotia, com o objetivo de resolver os problemas gerados pela obra.

O Portal Viva publicou matéria na quinta feira(7), falando do transtorno vivido pelos moradores do entorno (leia aqui).

A matéria fez com que o Secretário de Trânsito convocasse uma reunião de urgência na manhã do dia seguinte.

Na reunião estiveram presentes o Secretário adjunto de Trânsito - Silvio Leme, o vereador Claudio Olores, o Secretário de Habitação - José Lopes, o presidente da Câmara - Marcos Nena, Antonio Carlos Tessler - da gerenciadora da obra, Luis - coordenador da BR Malls, o engenheiro Marcos - da Racional Engenharia, os representantes da PAM Serviços - Pedro Augusto(diretor), Rodrigo(gerente da parte legal) e Leandro(coordenador), e a representante da comunidade local e jornalista - Fau Barbosa.

Claudio Olores abriu a reunião falando sobre os problemas que vem acontecendo na rua Adib Auada.

"O Shopping chegou e precisa respeitar a população", disse. "Várias empresas estão trabalhando ali e não há onde estacionar", ressaltou. O vereador informou aos presentes, que diversas ligações tem sido feitas ao gabinete do prefeito, e à Secretaria de Trânsito, com reclamações. Segundo ele, há pendências e a parceria não está avançando como deveria.

"O empreendimento é importante, mas temos que respeitar os moradores", disse.

O Secretário de Habitação - José Lopes falou sobre a fase final de acabamento. "A obra está no final, há lojistas entrando, etc. Precisamos ver  a possibilidade de estacionamento dentro do shopping", disse. "O estacionamento de carros na rua já chegou na G.E., há inúmeras reclamações e é necessário procurar uma solução para isso".

ESTACIONAMENTO DE CARROS CHEGA NO TOPO DA RUA, EM FRENTE À EMPRESA G.E.

"DO JEITO QUE ESTÁ É IMPOSSÍVEL TRAFEGAR SEM ARRANHAR O CARRO", DIZ MORADOR

O engenheiro Marcos, da Racional Engenharia, informou que não há locais para direcionar os carros. Segundo ele, já foi locado o terreno no nº340 da rua, que faz parte do centro empresarial, mas o local é muito pequeno. Ele sugeriu que fosse implantada a mão única na rua antes do prazo previsto.

Olores questionou quais as chances de liberar o estacionamento interno do shopping para acomodar os carros dos lojistas que estão em obra.

"Se não resolvermos isso, será pior, por que não se trata só da acomodação, está em jogo a imagem que a obra passa. Hoje temos um problema que é preciso equacionar", disse o secretário adjunto Silvio Leme.

De acordo com o engenheiro Marcos, liberar o estacionamento agora é inviável. "A obra vem do fundo para a frente", explicou.

Foi sugerido e discutido entre os presentes proibir desde já o estacionamento de um lado da rua (lado do shopping), visto que ali estão sendo colocadas as guias e sarjetas para depois ser iniciado o recapeamento da rua.

Olores insistiu que se acelere uma entrada (liberação provisória do estacionamento do shopping), mesmo com a implantação da mão única e proibição de estacionar de um lado da rua.

Foi apresentado pelo diretor da PAM - Antonio Carlos, um detalhamento dos acessos do shopping.

Ficou decidido que as mudanças devem acontecer no prazo de uma semana à 10 dias. "Precisamos sinalizar com faixas, estabelecer uma data e avisar os moradores", disse.

PASSARELA NA RAPOSO

A representante da comunidade local - Fau Barbosa, aproveitou a reunião para cobrar a passarela prometida pelo WalMart há cerca de três anos, e que ainda não saiu do papel. Segundo ela, com a vinda do Shopping, muitas pessoas serão atropeladas ali, caso não coloquem a passarela com urgência.

"Isso já aconteceu quando o Wal Mart foi inaugurado, uma funcionária foi atropelada à noite, pois ficou com medo de ser assaltada no acesso pelo barranco e acabou atravessando a Rodovia", disse Fau.

Marcos Nena informou que na terça feira passada, aconteceu uma discussão na Câmara para tratar desse problema. "A travessia de pedestres vai aumentar com a inauguração do shopping e fatalmente vai acontecer um atropelamento", disse. Nena citou a inauguração do Carrefour da Raposo, que só após inúmeras mortes construiu a passarela. "As pessoas tem que andar muito para chegar do outro lado da Raposo", disse, se referindo ao barranco que dá acesso ao viaduto do km 22,8.

"É perigoso não só para a vida, como também para o empreendimento, que vai levar a fama pelos acidentes", enfatizou.

O secretário José Lopes propos uma parceria: "Apesar do custo da passarela ser do Wal Mart, nada impede uma parceria, já que o shopping está chegando. Vocês podem conversar e de repente construirem uma passarela diferenciada, um modelo mais sustentável", sugeriu.

Enquanto a passarela não acontece, foi sugerido a colocação de uma barreira "New Jersey" (mureta) no perímetro do Shopping. Outra opção paleativa é uma grade que impeça a travessia.

Segundo José Lopes, o WalMart deu entrada no DER, e o projeto empacou por causa do local onde a passarela seria implantada, que é justamente onde será feito o recuo de pista do retorno (ao lado da madeireira).

Ele aproveitou para informar que já está marcada na quarta feira próxima(13), às 10:30hs, uma reunião no DER com o engenheiro Miguel, pois o projeto da passarela está pronto e serão mostradas as diretrizes da sua implantação.

Vamos aguardar a reunião de quarta feira e cobrar que a passarela seja construída com urgência.

Fau Barbosa

Visitantes Online:

Temos 924 visitantes e Nenhum membro online