Por Thomas Moscovitz

Após a global Nanda Costa posar nua e ficar entre os assuntos mais comentados da internet por causa do estilo de depilação adotada, a atriz Cameron Dias causou polêmica quando defendeu em seu livro, recém-lançado, que as mulheres não depilem seus pelos pubianos.

O manifesto aparece dentro de um capítulo chamado “Praise of Pubes” – traduzindo: Louvor aos Pelos Pubianos – mas foi suficientemente marcante para que o burburinho começasse, já que a atriz criticou os procedimentos estéticos que eliminam os pelos definitivamente.

Apesar da alegação “romântica” e filosófica que Cameron dá sobre o assunto – “Os pelos púbicos servem como uma linda cortina àquele que talvez esteja cortejando a sua sexualidade. Eles mantêm os seus tesouros privados, o que pode atiçar um amante a dar uma olhada no que você tem para oferecer” – todos os pelos são de muita importância, pois protegem o corpo contra micro-organismos, barrando os agentes infecciosos.

Com os pelos pubianos não são diferentes. Eles ajudam a evitar infecções vaginais e corrimentos, afinal, quando uma área do corpo é depilada, os poros ficam abertos e expostos.

No entanto, depilar totalmente a região mais íntima da mulher também não é um bicho de sete cabeças. Tudo depende do histórico da pessoa e, principalmente, se ela já teve alguma doença infecciosa. Se a mulher tem este histórico, é fundamental que tenha mais cuidado, eliminando os pelos das áreas mais afastadas da vagina, como coxas e pélvis. Já os pelos dos grandes lábios, podem ser aparados com o auxílio de uma tesoura limpa, pequena e sem ponta.

É importante ressaltar que não existem dados que comprovem que os pelos pubianos previnam doenças. Caso a mulher opte por manter uma quantidade excessiva de pelos, é preciso que ela seja mais rigorosa com a higienização da região íntima.

Um estudo realizado pela Universidade de Indiana e pelo Instituto Kinsey para Estudos sobre Sexo, Gênero e Reprodução escutou a opinião de 2.451 americanas e o resultado apontou que 87% das jovens entre 18 e 24 anos removem total ou parcialmente os pelos da vagina.

A mesma pesquisa revelou que as mulheres adeptas da depilação são mais confiantes e seguras em relação ao seu corpo do que aquelas que não costumam encarar o processo. Elas também têm maior índice de satisfação sexual, examinam mais os seus genitais e não se sentem constrangidas em falar sobre o assunto.

Vale lembrar que o aparecimento de muitos pelos, tanto nas partes íntimas, quanto em outras partes do corpo, pode ser um sinal de disfunção hormonal. Nesse caso, é preciso procurar orientação médica para tratamento.

Dr. Thomas Moscovitz – Doutor pela Faculdade de Medicina da USP. Especialista em: Ginecologia – Obstetrícia – Videolaparoscopia – Videohisteroscopia. Assistente Voluntário do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Médico Ginecologista na Granmedic.

Visitantes Online:

Temos 642 visitantes e Nenhum membro online