Por Thomas Moscovitz

Quem não quer conquistar uma silhueta perfeita após o parto? Aliás, como ginecologista e obstetra afirmo que este é o desejo da grande maioria das mulheres.

As sortudas que engordam na medida durante a gestação e possuem a genética como forte aliada, conseguem recuperar as curvas do corpo em três meses, principalmente se amamentarem.

De outro lado, há aquelas que sofrem com as alterações hormonais, acúmulo de líquidos e gorduras, responsáveis por deixar os seios flácidos e abdômen com gordura localizada, acompanhado de flacidez e estrias.  Elas querem partir para a cirurgia estética logo após o parto, o que exige alguns cuidados já que o corpo feminino passa por importantes transformações neste período.

O ideal é esperar o prazo entre 8 e 12 meses. Aproveite para, nestes meses, fazer uma dieta nutritiva e atividades físicas, para que já esteja em um bom peso durante a operação.  A plástica, por exemplo, não faz emagrecer imediatamente, mas propicia beleza estética no corpo em pouco tempo. Portanto, é correto afirmar que os melhores resultados são obtidos quando a mulher está em ótimas condições físicas.

Cirurgias como correção de mama ou implante de silicone deve respeitar o prazo de três meses após o fim da amamentação. É importante que a mulher pesquise bastante sobre o período pós-cirúrgico. Uma cirurgia na mama demanda quase dois meses de repouso e com um filho pequeno em casa isso pode ser um grande desafio.

A precaução é fundamental. Alimentar-se bem, cuidar do corpo e investir em cremes que previnam contra estrias antes de tomar a decisão de engravidar ajuda e muito no pós-parto e, principalmente, nos resultados da cirurgia. Lembro que não é possível intervir cirurgicamente em estrias localizadas no ‘pneuzinho’ ou nos seios. Em qualquer tipo de cirurgia plástica pós-parto, é importante a paciente conversar com o médico sobre a vontade de encarar mais uma gestação, pois uma nova gravidez pode comprometer o resultado da cirurgia plástica anterior. No caso de uma abdominoplastia, pode ocorrer estiramento da pele e o surgimento de estrias profundas.

Atenção! Qualquer cirurgia plástica durante a gestação não é indicada por conta das substâncias anestésicas. Elas podem afetar o desenvolvimento do bebê. O tipo de parto – normal ou cesárea – não influencia na realização da operação. Se a mulher tem propensão à formação de queloides, ela deve comunicar isso ao cirurgião plástico. Apesar de querer estar bem com o próprio corpo, é importante que a mãe curta intensamente os primeiros meses da maternidade, pois será fundamental para saúde de toda a família.

Dr. Thomas Moscovitz – Doutor pela Faculdade de Medicina da USP. Especialista em: Ginecologia – Obstetrícia – Videolaparoscopia – Videohisteroscopia. Assistente Voluntário do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Médico Ginecologista na Granmedic.

Visitantes Online:

Temos 1075 visitantes e Nenhum membro online