A tradicional Congada de São Benedito, este ano na sua 55ª edição, acontecerá nesse final de semana, em comemoração ao dia 13 de maio - dia da libertação dos escravos.

SEU BENEDITO - O MESTRE DA CONGADA DE COTIA, EM SUA CASA NA VILA SÃO JOAQUIM

O evento inicia às 18 horas de sábado(15), e termina no começo da noite de domingo, após a procissão, e com a despedida de todas as congadas participantes.

Segundo a tradição, eles saem da Câmara de Cotia com o busto da Princesa Isabel.

Os congadeiros de Cotia, Lorena, Taubaté, Pindamonhangaba e Mogi das Cruzes, seguem em cortejo ao som de fogos de artifício, tambores, sanfonas, violões e cantorias.

FOTOS ANTIGAS DE OUTRAS CONGADAS QUE ACONTECERAM EM COTIA.

Todos uniformizados, eles lembram as polícias de D. Pedro II, e dançam a ‘dança dos pauzinhos’, ou ‘paus de fitas’, e cantam as encantadoras e belas canções do Seu Benedito:

“A estrela lá no céu/Clareou, clareou/Viva nossa Liberdade/Obrigado, meu Senhor!”), num agradecimento à abolição da escravatura. As vozes entoam alegres: “No dia 13 de maio/lá no céu apareceu/a virgem Nossa Senhora/a Rainha, mãe de Deus”.

SEU BENEDITO CANTA CANÇÕES DE SUA AUTORIA, AFRONTANDO A ESCRAVATURA

Na praça dos camelôs, viram à direita, na Av. Antônio Matias de Camargo, rumo à sede da Congada, na vila São Joaquim, onde um palco grande, com equipamento de som, recepciona o público. Também é rezado o terço na casa do Sr. Benedito.

No domingo de manhã, todas as Congadas se encontram para a missa e à tarde, acontece o Encontro dos Andores e o Encontro das Bandeiras, com cantos, danças, e muita devoção.

A Congada vai até a noitinha, quando é hora de se despedir: as bandeiras são recolhidas, os festeiros se abraçam. Uma comunidade simples, bonita, unida, e que proporciona uma grande e valiosa manifestação cultural, religiosa e folclórica que enriquece a história da nossa Cidade.

Este ano, serão oito congadas a participar: duas de Mogi das Cruzes, quatro de Taubaté, uma de Limeira e uma de Lorena.

Saiba mais sobre a Congada de Cotia

Para uns, a Congada é o mesmo que a Dança do Moçambique. Mas, apesar de ambos os estilos da Cultura Afro-Católica terem como padroeiro S. Benedito, há diferenças:

A "Congada" tem embaixada e a sua dança tem um ritmo cadenciado que lembra os ritmos célticos de uma região montanhosa de Portugal, enquanto que o "Moçambique" não tem embaixada e é um cortejo mais rude.

A CONGADA PERCORRE AS RUAS DE COTIA E O BUSTO DA PRINCESA ISABEL

A Festa da Congada está em Cotia desde meados do Séc 20 e faz parte dos eventos comunitários da região, comemorado no dia 13 de Maio, em louvor à Raça Negra, ao Brasil e a S. Benedito.

A Congada é um grande evento, que inclui os cantos, danças, bebidas e comidas vendidas nas barracas, com a locução do famoso Zé Galinha.

Para a realização da Congada, toda a comunidade cotiana faz doações, de alimentos, emprestam cobertores e colchões, para os congadeiros que vem de longe. É um evento também religioso. "A Prefeitura sempre me ajudou', disse seu Benedito.

Há todo um simbolismo na tradição: o "Cortejo" sai da Câmara do Vereadores, levando uma autoridade - a Princesa Isabel (que assinou a Lei Áurea).  Na frente vai a Princesa, levada pelos bombeiros. Em seguida o estandarte “Congada de São Benedito de Cotia”.

Fau Barbosa

Fotos: Fau Barbosa e Acervo da família

Visitantes Online:

Temos 392 visitantes e Nenhum membro online