O Portal Viva, esteve em Caucaia do Alto, para documentar mais um pouquinho da história do lugar, dessa vez falando da Banda Musical, que tanto animou as festas da cidade, a partir da década de 20.

Nosso cicerone nessa viagem ao passado, foi nada menos do que Roque Pires Filho - o "seu" Quito - filho de Roque Celestino Pires - músico e maestro da Corporação Musical Imaculada Conceição, mais conhecida como a Banda Musical de Caucaia.

SEU QUITO - O ÚLTIMO MAESTRO DA BANDA DE CAUCAIA ...

ROQUE CELESTINO PIRES - UM DOS FUNDADORES DA BANDA DE CAUCAIA

Em uma tarde muito gostosa, "Seu" Quito - o último maestro da Banda de Caucaia - nos contou que o pai era muito preocupado com a cultura e com a educação de Caucaia. Ele foi um dos fundadores da Banda, que nasceu no bairro da Cachoeira e onde eram feitos os ensaios. Depois, para ficar mais próximo da vila (Caucaia), a primeira sede foi construída. Roque, além de músico, era quem organizava o grupo.

DESFILE DA BANDA EM CAUCAIA E ALGUNS DE SEUS COMPONENTES

O primeiro maestro da Banda, foi Antonio Manoel de Oliveira. A Banda de Caucaia existiu por 50 anos, e costumava se apresentar em duas importantes Romarias: a de Pirapora do Bom Jesus e a de Aparecida do Norte. "Nós fazíamos a saída de Caucaia, a chegada para o almoço em Araçariguama, depois a chegada em Pirapora, e à noitinha tocávamos na praça em frente à igreja", diz seu Quito.

CAUCAIA FUTEBOL CLUBE (Foto: Romaria&Caucaia - Cris Oka e Afonso Roperto)

A Banda também tocava em festivais - como o Festival do Caucaia Futebol Clube, e se apresentava em festivais públicos de outros municípios próximos.

Seu Quito começou a tocar na banda muito cedo, com apenas 11 anos já tocava trombone.

Com a morte do pai, seu Quito acabou assumindo a Banda, como maestro e coordenador. "Eu tinha apenas 17 anos, e era difícil e até chato fazer com que os membros de mais idade me obedecessem", conta ele. "Quando a Banda chegou ao fim, eu já tocava praticamente todos os instrumentos, de tanto ter que cobrir a falta dos músicos nos ensaios", disse.

Na década de 60, com a venda do terreno da sede, seu Quito fez uma campanha para arrecadar fundos para comprar um terreno e construir a sede nova. Onde até o final de 2009 era a sede da Polícia Militar, ele ergueu o prédio onde ensaiava todo sábado e dava aulas de música.

"Eu estudei pouca música, devia ter estudado mais", disse. "Eu ensinava o que eu sabia. Na Banda Municipal de Cotia tinha gente que aprendeu comigo", conta.

Ele também guarda os troféus recebidos em festivais (Proem, Femusca, etc), e o quadro de Santa Cecília - protetora dos músicos - que ficava na sede da Banda.

TROFÉUS GUARDADOS COM MUITO CARINHO. LEMBRANÇA DE UM TEMPO BOM!

SEU QUITO GUARDA O QUADRO DE SANTA CECÍLIA - PROTETORA DOS MÚSICOS

Aos poucos, os participantes foram deixando a Banda, até que só ficaram 12 músicos. "Cada ensaio faltava um. Um dia marquei uma reunião e falei que tínhamos que levar a sério ou então parar por ali. Foi ali que Banda foi encerrada", contou.

Seu Quito tem um acervo das partituras da banda de Caucaia, e costuma emprestar para os músicos que precisam delas. "Eles me pedem, eu empresto, depois me devolvem", disse.

SEU QUITO E AS PARTITURAS: "ALGUNS MÚSICOS ME PEDEM EMPRESTADO".

"A Banda, para ser viável, precisa do apoio da administração. Eu e meu pai sempre fizemos tudo por amor à arte, sem ganhar nenhum  tostão", relatou.

Segundo ele, o grande incentivador da Banda foi o ex-prefeito Ivo Mario Isaac Pires, que ajudava com os uniformes, os alfaiates, etc. "Fiquei muito feliz com o 1º Festival de Bandas e Fanfarras. Ainda temos alguns músicos por aí, quem sabe não voltam a tocar", disse.

Matéria e fotos: Fau Barbosa

Fotos antigas: Acervo Roque Pires

Visitantes Online:

Temos 618 visitantes e Nenhum membro online