Após noticiar com exclusividade a explosão de uma caldeira em uma lavanderia na Quinta dos Angicos em Cotia, o Portal Viva entrevistou nessa sexta feira(29), o especialista e inspetor de segurança em caldeiras - Davi Lisboa.

Morador da Granja Viana, Davi está há 35 anos na área, e falou sobre os riscos e estatísticas na manipulação de caldeiras, que são verdadeiras armas.

Segundo Davi, o maior problema está na não observância dos fatores de segurança, além da precariedade nas instalações, uso de equipamentos velhos e sucateados, e manutenção inadequeda.

"Acompanhei a reportagem referente a explosão da caldeira em Cotia na sexta feira. Sou profissional na área de caldeiras, faço um estudo estatístico sobre explosão de caldeiras no Brasil, o que infelizmente ocorre ainda com muita frequência, colocando em risco a comunidade e tirando muitas vidas", disse.

"Esse assunto é muito sério e tem sido tratado com pouco interesse pelos empresários e pelo governo. Esta explosão de Cotia é a décima que foi divulgada este ano no Brasil, muitas nem divulgadas são", relatou.

Davi falou sobre a explosão na lavanderia: "Pelas fotos arrisco dizer que a caldeira que explodiu estava instalada fora das normas de segurança, sem inspeção de segurança bem feita, e sendo operada por gente sem qualificação", disse.

Saiba mais -

- Caldeira explode e mata um na Quinta dos Angicos, em Cotia

- Caldeira que explodiu em Cotia era de empresa clandestina. Um funcionário morreu.

Acidentes com caldeira

Davi nos mostrou recortes de jornais de vários acidentes ocorridos no Brasil nos últimos anos. A estatística mostra que, de 1983 a 2010, foram 118 mortos, em 103 acidentes, com 409 pessoas afastadas do trabalho.

"Só em 2010, o Brasil teve 13 explosões em caldeiras", relatou.

DAVI MOSTRA RECORTES DE JORNAIS DE ACIDENTES COM CALDEIRAS NO BRASIL

PROCEDIMENTOS PARA O FUNCIONAMENTO DE UMA CALDEIRA

Para a operação de funcionamento de uma caldeira, são necessário os seguintes "documentos mínimos obrigatórios":

1. Prontuário de fabricação (a certidão de nascimento da caldeira).

2. Registro de segurança (livro)

3. Projeto de Instalação

4. Projeto de Alteração (em caso de mudança de lugar)

5. Relatório de Inspeção

6. Operadores treinados e qualificados

"Toda caldeira tem que ter um livro, onde são anotadas todas as inspeções de segurança, todas as manutenções. "Os órgãos municipais deviam se preocupar em fiscalizar mais isso", ressaltou o inspetor.

CALDEIRA EXPLODIU EM FÁBRICA DE TINTAS EM MAIRINQUE NO FINAL DE 2007

FISCALIZAÇÃO

Existe em São Paulo um grupo de inspeção de caldeiras, o GRISP - Grupo regional de inspeção do Estado de São Paulo. A fiscalização das caldeiras é feita por três entidades:

1. Ministério do Trabalho

2. Sindicato dos Trabalhadores de Indústrias

3. CIPA´s - Comissões Internas de Prevenção de Acidentes

"Acima de 5.000kg de vapor/hora, a caldeira tem que se identificar no CONTRU - Departamento de Controle do Uso de Imóveis", disse Davi.

O CONTRU  atua na prevenção e fiscalização de instalações e sistemas de segurança de edificações na cidade de São Paulo, além de conceder licenças e fiscalizar a instalação e o funcionamento de elevadores, esteiras e escadas rolantes, sistemas de armazenagem de produtos químicos e inflamáveis, combustíveis e explosivos.

CASOS DE CALDEIRAS QUE EXPLODIRAM NOS ÚLTIMOS ANOS E CAUSARAM MORTES E DESTRUIÇÃO

SAIBA O QUE PODE COLOCAR SUA VIDA EM RISCO

Risco Grave e Iminente (RGI) em Caldeiras (*)

- Falta de instrumento de segurança. Exemplos: falta de válvula de segurança ajustada em valor igual ou inferior à PMTA; falta de manômetro para indicar a pressão do vapor acumulado e outros mencionados no item 13.1.4 da NR 13.

- Instalação Inadequada. Exemplos: falta de 2 saídas adequadas; falta de sensor de gás (para caldeiras a gás); falta de iluminação de emergência e outros, em conformidade com os itens 13.2.3; 13.2.4 e 13.2.5.

- Artifícios, ou “gambiarras”. Exemplos: jumps ou outros artifícios que neutralizem elementos de controle (tais como pressostatos) ou elementos de segurança (como válvulas de segurança, manômetros e outros), em conformidade com o item 13.3.2.

- Falta de operador. “Toda caldeira a vapor deve estar obrigatoriamente sob operação e controle de operador de caldeira, sendo que o não atendimento a esta exigência caracteriza condição de risco grave e iminente” (íntegra do item 13.3.4, cujo detalhamento encontra-se na seqüência do item 13.3.5 ao 13.3.11).

- Desrespeito ao projeto de fabricação. As condições de projeto de uma caldeira devem ser rigorosamente observadas, em conformidade com o item 13.3.12.

- Falta de inspeção de segurança: é considerada condição de risco grave e iminente (e, portanto passível de interdição da caldeira). A inspeção de segurança deve atender ao item 13.5 e seus subitens para ser considerada como inspeção de segurança, inclusive o item 13.5.13, que se refere ao Relatório de Inspeção.

(*) Este documento visa divulgar parte da NR 13, cuja íntegra deve ser respeitada e pode ser obtida no site do Ministério do Trabalho e Emprego na Internet: www.mte.gov.br

GRÁFICO MOSTRA PORCENTAGEM DAS MAIORES CAUSAS DE ACIDENTES COM CALDEIRAS

Na opinião de Davi, a prefeitura deveria levantar todas as caldeiras de empresas em Cotia.

"O prefeito devia criar uma lei que tornasse obrigatório o recadastramento de todas as empresas que operam caldeiras no Município. Estamos falando de uma arma", finalizou, citando uma outra coisa que explode e mata muito:

"São os vasos sobre pressão, ou seja, os famosos compressores de borracharias, que parecem inofensivos".

Fau Barbosa

Visitantes Online:

Temos 703 visitantes e Nenhum membro online