A denúncia partiu da Associação de Adquirentes de Unidades do Loteamento Jardim das Paineiras, imediatamente ao lado da mata que está sendo devastada. Na ocasião da denúncia, foi pedido apoio do 1o. Comando do Batalhão da Polícia Ambiental.
De acordo com informações que os moradores obtiveram em conversas informais, o projeto prevê a construção de 80 casas.

"Na Granja Viana, município de Cotia, quase na divisa com São Paulo, apesar dos gritos de alerta e do descaso da Secretaria e Ouvidoria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, o corte de árvores continua, abrindo imensas clareiras em áreas nobres, provocando a debandada de vida animal, que perde mais um espaço de resquícios de Mata Atlântica, com supostas árvores nobres em seu interior,  protegida com uma legislação ambiental, segundo especialistas retrógrada, e que só beneficia empreendedores imobiliários.

A localização da devastação ambiental é na Rua General Fernando Vasconcelos Cavalcanti Albuquerque (Antiga Tangará), bairro do Bosque do Viana, Cotia, na altura do número 1200, do lado esquerdo da rua. (Altura do km. 22,8 da rodovia Raposo Tavares - atrás do Hipermercado Wal-Mart).


A denúncia também é de inúmeras entidades que defendem o meio-ambiente, mas que ficam desamparadas, pelas autorizações conseguidas sem critério técnico adequado e inóqua fiscalização por parte do DEPRN - Departamento Estadual de Proteção aos Recursos Naturais.

Vejam as autorizações do corte geral e irrestrito, pois as árvores nobres não foram catalogadas, nem marcadas, ficando supostamente a bel prazer dos desmatadores.

Assim, muitas paineiras, araucárias e árvores "protegidas" por leis ambientais, ainda podem cair. Por que não demarcá-las?

- Alvará de licença de implantação -  783/2008

- Certificado Graprohab - 132/2006

- Registro de matrícula 64.157 em 24/04/07 - Cotia 

- Termo de responsabilidade DEPRN- 044/07

- Termo de compromisso de recuperação  - 538/06

- Autorização de supressão de vegetação nativa - 30762/08 

- Autorização do projeto -  Eng. João Paulo Pantaleão crea 060068291-SP
    
O Ouvidor do Governo do Estado prometeu respostas e atitudes enérgicas e urgentes. Mas até agora...."!

Colaboração: Wilson Donnini

O Viva Cotia teve acesso aos documentos e emails trocados junto às autoridades competentes.

O ouvidor Marcelo Chaves, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente abriu o expediente de número 793/2009 dizendo que iria encaminhar a denúncia à direção do DEPRN "para conhecimento e manifestação". Segundo Donnini, até agora não houve retorno.

Foi aberto inquérito Civil pelo 2º Promotor de Justiça de Cotia, Adalberto Denser de Sá Junior, para apurar a denúncia de desmatamento, (o que infelizmente, pela carência de tempo, não impede a derrubada de dezenas de árvores por dia, sem critérios técnicos ou de proteção ao meio ambiente, mesmo estando todos os órgãos cientes: Secretaria do Meio Ambiente do Estado -através do DEPRN - Departamento Estadual de Proteção de Recursos Naturais, Secretaria de Meio Ambiente de Cotia, Polícia Ambiental, etc).
 
Instauração de IC
Cotia, 31 de março de 2009
Ofício nº 109/09 - 2ª PJ
Ref: Instauração do IC nº 19/09

Segundo Donnini, os pontos levantados na denúncia foram:

a. Foi anunciado um empreendimento residencial, supostamente sem documentação completa, que se localiza na Rua General Fernando       Vasconcelos Cavalcanti Albuquerque (Antiga Tangará), bairro do Bosque do Viana, Cotia, na altura do número 1200, do lado esquerdo da rua. (Altura do km. 22 da Rodovia Raposo Tavares - atrás do Hipermercado Wal-Mart)
b. de acordo com informações que obtivemos em conversas informais, o projeto prevê a construção de 80 casas
c.. já foram iniciadas as derrubas de árvores frondosas da Mata Atlântica (Mais de 60), apesar da Polícia Florestal, já ter ido ao local, citado os proprietários, que não tomaram conhecimento e continuaram o corte da mata (já foi construido um tapume intransponível no entorno frontal do terreno e nenhuma placa oficial).
d. Ainda com base em informações não oficiais, o suposto proprietário da área, teria sido autuado no passado por derrubar
ilegalmente algumas árvores e constaria como fiel depositário da mata em processo aberto contra ele . Tendo por base o comportamento anterior desse proprietário, ele primeiro comete o crime, para depois conversar.

Mais uma vez, a comunidade do km 22,8 se une para denunciar a retirada de árvores.

Voltando no tempo:

Em 2007, após reuniões da comunidade mobilizada com o Wal-mart, conseguiu-se que o projeto fosse modificado, impedindo a saída de carretas pela rua Adib Auada. Em outro momento, conseguimos que a Gafisa fizesse o jardim da marginal da Raposo, como contrapartida à obra na rua Tangará, e o futuro shopping urbanizou a praça em frente ao condomínio San Diego, além de transplantar diversas árvores para o parque Teresa Maia.

É a força da comunidade, lutando pela manutenção sustentável do seu espaço.

Fau Barbosa

Da Redação

 

Nota da Redação:

O Viva Cotia conversou com o Secretário de Meio Ambiente de Cotia, Dr. Laércio Camargo, que esteve no local e fez algumas fotos. Ele nos confirmou que está tudo autorizado pelo DEPRN, por se tratar de maciço florestal, cuja autorização não passa pela Prefeitura de Cotia.

 

Visitantes Online:

Temos 705 visitantes e Nenhum membro online