Nove comunidades se reuniram ontem (11), junto à equipe da liturgia da Igreja Matriz Nossa Senhora de Monte Serrat, e a equipe organizadora, para executar os tapetes e montar o altar em frente à delegacia de Cotia, para a celebração do Corpus Christi.

Sob a organização do Padre Odair, os trabalhos tiveram início por volta das 11 horas. O atraso aconteceu por conta da chuva que caiu durante toda a manhã. "Nós chegamos as 5:30 hs na paróquia, mas não pudemos fazer nada até a chuva parar", disse Maria Neoli, uma das organizadoras.


Mesmo com o atraso, a comunidade unida passou o dia trabalhando na confecção dos tapetes. Era bonito de ver as crianças ajudando, todos dando o melhor de si para que a comemoração saísse perfeita.Os desenhistas Marcos Vinícius, Maria Neoli, Hélio Junior e Wellington o "Neguinho", riscam os papéis todos os anos, e trabalhavam animados preenchendo os tapetes em frente à delegacia.


Este ano, o tema da Campanha da Fraternidade - "Fraternidade e Segurança Pública", com o lema: "A paz é fruto da justiça", fez com que o Corpus Christi em Cotia fosse comemorado de forma diferente.

Em frente à delegacia de Cotia, todos trabalhavam animados, e os últimos retoques eram dados na iluminação e na montagem das tendas que abrigariam os pães e o padre Odair. A coordenadora da pastoral carcerária, Nice, falou sobre o evento:

"Oque abriu as portas foi o tema da campanha da fraternidade. Com a ajuda do Dr. Severo foi mais fácil. A coisa está nascendo, os projetos são muitos, e só poderemos falar mesmo, quando eles começarem a ser executados", disse.

O Padre Odair foi até a Delegacia para ver se precisavam de alguma coisa e aproveitou para posar para uma foto junto com alguns dos responsáveis pela segurança do Município.


Às 17 horas, a Igreja Matriz estava lotada. A missa teve início e contou com a presença de várias autoridades policiais. Já era noite quando todos saíram da igreja em procissão em direção à Delegacia de Cotia.


No caminho, foram feitas seis paradas, cada uma simbolizando um tópico: A violência urbana, a violência doméstica, a situação da infância e da juventude, a violência e a pobreza, Crise econômica e paz, e a paz - fruto da solidariedade.

Ao chegarem em frente à delegacia, o Padre Odair realizou uma missa campal e orou junto aos fiéis, abençoando os pães que foram distribuídos à comunidade presente. Segundo a Guarda Civil, o público presente chegou à 450 pessoas.

Leia as entrevistas feitas com todos os envolvidos, que falaram sobre a integração da Igreja com a Segurança Pública, na Campanha da Fraternidade 2009.

Qual a visão de cada um:

Padre Odair, pároco da Igreja Matriz de Cotia: "A igreja está vivendo um novo tempo, e sobretudo nesse ano está procurando essa aproximação com os poderes públicos, com a Segurança Pública, para que possamos em comunhão, em conjunto, fazer esse trabalho de conscientização dessa cultura de Paz que realmente precisa existir em nosso meio", disse. "Eu vejo como algo muito positivo essa proposta da igreja e fico muito feliz que aqui em Cotiahá uma adesão muito grande por parte da igreja e dos paroquianos, e dos envolvidos em segurança pública, como o delegado, o secretário de segurança, e de todas as pessoas que estão envolvidas. Eu tenho certeza que mesmo devargarzinho, nós vamos construindo uma cultura de Paz".

Dr. Severo, Delegado Titular do 1ºDP de Cotia, : "Não foi à toa que a CNBB escolheu esse ano o tema Segurança Pública para a Campanha da Fraternidade. Eu tive a oportunidade de ler o texto básico e fiquei realmente encantado, para não dizer emocionado e admirado com a evolução da igreja que hoje fala em justiça restaurativa, coisa que poucas pessoas conhecem atualmente. A justiça restaurativa é quando o indivíduo tem que reparar o próprio dano que causou ao semelhante e à sociedade", explicou. "Isso é uma visão moderníssima, que vai trazer uma somatória muito importante aqui para Cotia. A igreja está interagindo nesse sentido. Estamos montando a Pastoral Carcerária com o auxílio do Padre Odair e a autorização do Bispo Dom Ercílio Turco, para que possamos praticar a evangelização à esses 400/500 presos que temos aqui na nossa cadeia. Essa aproximação é muito boa, a igreja é sempre muito bem vinda, ela que sempre trabalhou em prol dos menos necessitados e dos discriminados socialmente.

Dr. Alexandre Palermo, Delegado do 2º DP da Granja Vianna: "É de fundamental importância esse entrosamento entre os diversos setores da sociedade, em termos de segurança. Eu só vejo um caminho para melhorar as questões da segurança, e esse caminho é o da Cultura da Paz. Nada mais elevado do que ter a participação dos segmentos religiosos. A partir daí, pode nascer uma semente real de que somente com a conscientização da paz, e do diálogo é que vamos conseguir chegar na solução de todo esse conflito social".

Dr. Nelson Bruno, Secretário-adjunto de Segurança de Cotia:"É muito importante tudo isso. A mensagem da religião na área de segurança faz parte. É importante que todas as religiões possam ajudar, orientando e tirando do convívio ruim e trazendo para o lado de Deus. O ser humano tem necessidade de ter uma crença. Não pode ser alienado, precisa acreditar em Deus. Precisamos estar unidos para encaminhar os jovens para o bem".

Luiz Carlos dos Santos, Presidente do Conselho Ouvidor de Direitos Humanos e Cidadania de Cotia: "A importância que vejo na campanha da CNBB, que fala sobre fraternidade e segurança pública, é que este é um momento oportuno e histórico em Cotia, que une tanto a igreja, a comunidade e a polícia do Município, todos unindo forças - Guarda Civil, Polícia Civil e Militar, todos os órgãos ligados à Segurança Pública. Na minha opnião é uma questão lógica e histórica, não só em Cotia mas em toda região".

Dr. Maurício Guimarães Soares, Delegado Assistente da Seccional de Carapicuíba, representando o Dr. Youssef Abou Chain: "Essa é uma ação extremamente positiva, que sintetiza muito bem o lema da campanha da fraternizade deste ano. Demorou para que a igreja e a segurança pública andassem de mãos dadas. A idéia de se ter fraternidade e igualdade sem segurança, é realmente uma situação antagônica".

Veja o material utilizado na confecção dos tapetes:

Segundo os organizadores Maria Neoli, Clarisse e Manoel Luiz, para a confecção dos tapetes, foram usadas duas bobinas de papel kraft de 1.5metro, 2 sacos de tampinhas de garrafa pet, 2 sacos de casca de ovo, 5 sacos de 50 kg de pó de café, 48 sacos de 50 kg de serragem colorida, 20 sacos de 50 kg de serragem natural, duas caixas de caneta piloto, 3 tubos de 50ml de cola, 5 quilos de areia tingida, além de 10 quilos de fubá, 10 quilos de farinha de trigo, farinha de milho e sal (estes últimos vencidos).

Também foram doados 2650 pãezinhos pela Cáritas, para a benção dos pães. A Prefeitura deu a tinta para o tingimento da serragem e da areia.

Matéria e Fotos: Fau Barbosa

Bônus de fotos:

Visitantes Online:

Temos 710 visitantes e Nenhum membro online