top of page

Carapicuíba: Durante abordagem, arma de PM dispara e mata indivíduo de 19 anos


Disparo teria acontecido após policial fazer força para tentar segurar a moto e impedir fuga.


Fau Barbosa

Por volta das 4h da madrugada desta quarta-feira, 5, durante patrulhamento de rotina pela Rua Santo André, em Carapicuíba, policiais militares se depararam com um indivíduo retirando forçadamente uma motocicleta de uma garagem, enquanto outros dois indivíduos duas motocicletas o aguardavam no lado oposto da via.


Quando perceberam a aproximação da viatura, o primeiro indivíduo desistiu de retirar a moto da garagem e rapidamente subiu numa das motos que o aguardava. Os três indivíduos fugiram do local.


Os moradores da residência informaram aos policiais que, horas antes, havia duas motocicletas na garagem e que possivelmente os indivíduos já tinham roubado a primeira e estavam pegando a outra. Foi pedido apoio de outras viaturas via rádio, iniciando buscas pelas imediações.


Uma outra viatura que dava apoio, se deparou com dois indivíduos em uma moto HONDA/CG 160 FAN com a placa parcialmente encoberta, e foi dada ordem de parada, não obedecida.


Os policiais iniciaram o acompanhamento à moto que, em determinado momento, tombou na contramão da Av. Antônio Faustino dos Santos, sentido Osasco, tendo um dos policiais desembarcado. Ao iniciar a abordagem, o garupa da moto correu e levantou a motocicleta na tentativa de fugir. Segundo o boletim de ocorrência, nesse momento, por reflexo para segurar a moto pelo guidão, ocorreu o disparo da arma do policial, de forma acidental, atingindo o indivíduo de 19 anos. O Samu foi chamado, mas o indivíduo veio a óbito no local.

O local foi preservado até a chegada da autoridade policial e dos peritos criminais, sendo todos os envolvidos encaminhados à Delegacia de Polícia.


Depoimentos

Na delegacia, o outro indivíduo, também de 19 anos, na presença do seu advogado, afirmou que trabalhava em uma pizzaria como entregador e que nunca foi preso. Ele contou que por volta da 1h estava em uma adega com o amigo, e passaram a beber e fumar narguilé. Como o lugar estava ficando vazio resolveram ir para outra tabacaria na Cohab. Porém quando chegou ao local, soube que amigo havia deixado cair no caminho uma essência do narguilé, então foram procurar. Ele pilotava uma moto emprestada e que estava com a placa tampada. Ao verem a viatura, ele resolveu acelerar para que não fossem “esculachados” por causa da placa da moto. Iniciou-se então a fuga com acompanhamento e em determinado momento, o condutor bateu a moto em uma passagem estreita, o que possibilitou a abordagem dos policiais.


O indivíduo disse que os policiais mandaram deitar no chão e tirar os capacetes e segundos depois ouviu um disparo e ao olhar para o lado viu seu amigo já alvejado no chão. Perguntado, ele respondeu que não traziam consigo nada de ilícito e que a única razão para se evadir da polícia foi a existência de uma corrente tapando a placa.


O dono da moto foi chamado e disse que havia emprestado a moto, mas que sua placa estava normal e que a moto não tinha nenhuma irregularidade. Ao notar a demora dos amigos ligou para o celular de um deles, quando o policial atendeu e pediu para que comparecesse ao local com o documento da moto. Lá ele soube que havia um deles baleado, sendo socorrido pelo SAMU. Em seguida foi com os policiais para a delegacia.


Na delegacia, o policial cuja arma disparou, contou que após a perseguição a moto tombar, desceu da viatura, deu ordem para que os dois indivíduos deitassem no chão e neste momento o garupa correu e levantou a motocicleta na tentativa de fugir, inclusive jogando a moto para cima dele. No momento em que teve o reflexo para fazer força para segurar a moto pelo guidão, ocorreu o disparo, de forma acidental e involuntária. Ele deu ordem para que os indivíduos deitassem no chão e só neste momento percebeu que o tiro havia acertado um dos abordados. De imediato os policiais acionaram o SAMU. Disse ainda que, na tentativa de fuga, a moto chegou a atingir seu joelho direito e afirmou que não houve agressão aos indivíduos.


A arma do policial militar foi devidamente apreendida e encaminhada ao Instituto de Criminalística onde passará por exame pericial. A motocicleta foi apreendida administrativamente pela PM. A Polícia Civil solicitou as imagens da “bodycam” do policial e arbitrou fiança no valor de R$ 3.000,00 (três mil reais), a qual não foi paga, sendo o policial custodiado pela própria Policia Militar e encaminhado ao Presídio Romão Gomes.


O delegado de plantão determinou o registro do boletim de ocorrência de natureza "Flagrante de Homicídio" (art. 121) § 3º - Se o homicídio é culposo (sem intenção): o crime resulta de inobservância de regra técnica de profissão; "Morte decorrente de intervenção policial" (Res. SSP 05/2013) alterado pela Res 02/2015 do MJ/PF/CSP de 13/10/15 para Homicídio decorrente de oposição à intervenção Policial; e Desobediência (art. 330), pelo fato do piloto não ter obedecido a ordem legal de parada.





103 visualizações
bottom of page