top of page

Cotia: Palestras marcam o Dia de Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes


Por Fau Barbosa

Nesta quarta-feira, 18 de maio, Dia Nacional de Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, Cotia teve uma programação especial com palestras de especialistas, que debateram o tema e trouxeram dados alarmantes sobre este tipo de crime.

Foi falado sobre a importância de se falar com as crianças sobre o assunto para que elas possam se proteger, e como é importante denunciar.

A Delegada da DDM de Cotia, Dra. Daiana Cotait participou do evento


O evento foi promovido pela Secretaria dos Direitos Humanos, Cidadania e da Mulher. A vice-prefeita e titular da pasta, Ângela Maluf, destacou que a sociedade precisa se unir na proteção dos menores. “Denuncie, a denúncia vai para os órgãos responsáveis e o caso será investigado. Muitas vezes, ela não sabe que está sendo abusada. A gente sabe. Então, não se cale, disque 100, a denúncia pode ser anônima, mas também ensinem as nossas crianças a se protegerem”, disse.

O Secretário Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, Mauricio Cunha, destacou a importância do app SABE para facilitar o pedido de ajuda das crianças e adolescentes. “Chega de violência contra crianças. Vamos chamar a atenção contra a violência e fazer do Brasil o melhor país do mundo para crianças e adolescentes”, disse.


O Secretário Estadual de Justiça e Cidadania de São Paulo, Fernando José da Costa, foi representado por Jeniffer Caroline Luiz, coordenadora dos programas de Defesa da Cidadania. “Parabéns pela movimentação no dia de hoje, esta pauta bate à nossa porta o tempo todo e o nosso papel é unir autoridades para discutir políticas públicas contra esta cultura de violação dos direitos das crianças que, em sua maioria, acontece dentro de casa”, afirmou.


Atuação da Polícia Civil

No evento, a Delegada de Defesa da Mulher de Barueri, Priscila Camargo e o investigador da Polícia Civil e Chefe do Departamento de Inteligência do Demacro, Paulo Zanatta apresentaram dados alarmantes.

Segundo a delegada, apenas 7,5% dos casos de exploração sexual infantil são denunciados. O Brasil é o segundo colocado no ranking de abuso de adolescentes no mundo, com 2 a 3 casos acontecendo a cada hora.


O investigador falou sobre o fórum da deep web e sobre os predadores sexuais que atuam na internet, e citou que o Brasil já registrou, inclusive, casos de modalidade de troca de crianças, ocorridos em resorts. Ele também falou sobre a Operação Luz na Infância, que já teve oito fases desde 2017 e que coíbe quem trafega na internet atrás de pornografia infantil.


Foram apresentados os símbolos e as palavras principais que aparecem nos sites de pedofilia.

Como prevenir?

- Acompanhe o desenvolvimento da criança e atue de acordo com ele

- Mantenha um diálogo aberto com seus filhos

- Ensine sobre as partes do corpo e seus limites

- Perceba os comportamentos

- Ao levar seu filho na escola, deixe-o na escola

- Conheça os amigos do seu filho e suas famílias

- Nunca deixe seu filho pequeno sozinho com celular ou computador

- Desconfie de amigos mais velhos

- Pessoas que se "dizem" fotógrafos apenas de crianças

- Vizinhos que não possuem crianças e se oferecem para cuidar delas

- Fale sobre comportamentos arriscados dos aplicativos

- Converse sobre consequências negativas do uso

- Relate e ensine como reportar abusos


Como identificar o abuso ou exploração

- Mudança brusca no padrão de comportamento

- Oscilação de humor, tristeza repentina

- Agressividade ou intolerância

- Crises de choro acompanhados por sentimento de culpa

- Insônia ou excesso de sono. Desânimo.

- Medo de escuro, lugares, pessoas, de ficar sozinho, etc.


Segundo a Polícia Civil, geralmente não é um sinal só, mas um conjunto de indicadores. Podem apresentar sintomas físicos, como dores de estômago e de cabeça. Podem apresentar sensibilidade, irritação e dores também na parte íntima. Mudança no apetite. Regressão no comportamento. Queda no rendimento escolar. Fique atento!

Também ministraram palestras a Promotora de Justiça do Ministério Público, Presidente do Instituto Justiça de Saia e idealizadora do projeto "Justiceiras"’, Gabriela Manssur; a vereadora de Osasco e procuradora especial da mulher, Ana Paula Rossi; a deputada estadual Damaris Moura; a advogada presidente da Comissão da Mulher da OAB Cotia, Silvia Cursino; a psicóloga da Delegacia de Defesa da Mulher de Cotia, Luciana Santos; e a assistente social do CREAS, Ana Maria Belchior.





58 visualizações

Commentaires


bottom of page