Governo de SP determina uso obrigatório de máscaras em todo o Estado


Medida passa a valer a partir de quinta-feira (7)

O Governador João Doria anunciou, nesta segunda-feira (4), a obrigatoriedade do uso de máscara em todo o Estado por pessoas que circularem em espaços públicos, a partir de quinta-feira (7). A regulamentação caberá às prefeituras, que definirão a fiscalização e a aplicação de penalidades a quem desobedecer a medida. "A partir de hoje já passa a valer a obrigatoriedade do uso de máscaras em todos os meios de transporte público e privado e agora estendemos isso a toda a população, com o objetivo de proteger os brasileiros de São Paulo, para que tenham menos possibilidade de serem infectados ou irem a óbito", afirmou Doria. A medida será publicada no Diário Oficial do Estado desta terça-feira (5) e está alinhada com as ações do Governo do Estado de São Paulo para frear o ritmo de contaminação da COVID-19. WhatsApp: Para receber textos, áudios, fotos e vídeos via WhatsApp, envie uma mensagem com nome completo, veículo de comunicação, e-mail e nº de telefone celular para (11) 95492-7135.

Transporte Público A partir desta segunda-feira, o uso de máscaras de proteção facial passou a ser obrigatório por passageiros do transporte intermunicipal em todo o Estado de São Paulo. A medida vale enquanto perdurar a quarentena. Caberá às empresas de transporte coletivo intermunicipal, tanto nas linhas rodoviárias quanto nas suburbanas, proibir a entrada e a permanência de passageiros que não estiverem usando máscara de proteção facial. A ARTESP - Agência de Transporte do Estado de São Paulo reitera a orientação para que a população permaneça em quarentena e não faça viagens desnecessárias. O Sistema Intermunicipal de Transporte de Passageiros do Estado é composto por 91 empresas. Desde março, elas vêm sendo orientadas pela ARTESP a reforçarem os procedimentos de limpeza e higienização interna dos veículos. As permissionárias também deverão capacitar seus funcionários para orientar os passageiros e comunicar o público sobre as medidas preventivas adotadas pelas empresas. Além disso, devem ser disponibilizados aos trabalhadores os meios para reforçar as medidas de higiene, como a álcool em gel. As empresas também deverão considerar a dispensa do trabalho dos funcionários, quando isso for possível - de acordo com as funções realizadas -, e promover o trabalho remoto (home office), principalmente nos c​asos daqueles que apresentarem sintomas característicos da doença. Foto: Arquivo Portal Viva